Discurso de posse de Jorge Amado na Academia Brasileira de Letras

Rio de Janeiro, 17 de julho de 1961. Sr. Presidente, Senhores Acadêmicos, Chego à vossa ilustre companhia com a tranquila satisfação de ter sido intransigente adversário dessa instituição, naquela fase da vida em que devemos ser, necessária e obrigatoriamente, contra o assentado e o definitivo, quando a nossa ânsia de construir encontra sua melhor aplicaçãoContinuar lendo “Discurso de posse de Jorge Amado na Academia Brasileira de Letras”

Como falar muito sem dizer nada

Trechos de um artigo do filósofo inglês Stephen Law. Pseudoprofundidade é a arte de soar profundo falando nonsense. Diferente da arte de ser de fato profundo, a arte de soar profundo não é difícil de dominar. Como veremos, há receitas básicas que podem produzir resultados bastante convincentes – bons o bastante para convencer os outros e talvezContinuar lendo “Como falar muito sem dizer nada”

A arte perdida de ler um texto até o fim

Artigo de Danilo Venticinque para a revista Época. Abandonar um texto logo nas primeiras linhas é um direito inalienável de qualquer leitor. Talvez você nem esteja lendo esta linha: ao ver que a primeira frase deste texto era uma obviedade, nada mais natural do que clicar em outra aba do navegador. Ou talvez você tenha perseverado atéContinuar lendo “A arte perdida de ler um texto até o fim”

Por uma política da racionalidade

Desidério Murcho para O Estado da Arte. Estudos recentes de psicologia cognitiva, popularizados sobretudo por Daniel Kahneman no livro Thinking, Fast and Slow (2011), parecem mostrar que os seres humanos têm como que uma alma dividida: dois sistemas cognitivos que não trabalham propriamente em harmonia, em parte porque um deles é chamado a fazer oContinuar lendo “Por uma política da racionalidade”

Tolerância e ofensa

Artigo de Desidério Murcho para o jornal Público do dia 22 de janeiro de 2008. A tolerância é uma das noções mais difíceis de compreender. Confunde-se geralmente com o relativismo epistêmico e esta confusão denuncia incapacidade ou até falta de vontade para aceitar a tolerância. Os pensadores pós-modernistas são responsáveis por contaminar a cultura contemporâneaContinuar lendo “Tolerância e ofensa”

Algumas dicas práticas sobre como ler, planejar e escrever um artigo de filosofia

Série de três artigos de Jeff McLaughlin, professor de filosofia da Thompson Rivers University, no Canadá. A tradução do original foi feita por Maria Clara Cescato, da UFPB. Veja também: Breve definição de filosofia Como ler um artigo de filosofia Como aluno, talvez novo, de filosofia, o que vai lhe preocupar de forma mais imediata é como lidarContinuar lendo “Algumas dicas práticas sobre como ler, planejar e escrever um artigo de filosofia”

Como detectar um mentiroso

“Mente aquele que diz que não mente”, é assim que o perito em detectar mentiras e professor do Behavior Analysis Training Institute (instituto que treina a polícia americana para detecção de mentiras), Wanderson Castilho, começa a entrevista ao Terra. Além do polígrafo – detector de mentiras que mede pressão arterial, batimentos cardíacos, temperatura corporal e dilatação daContinuar lendo “Como detectar um mentiroso”

Por que políticos mentem?

Trecho de um artigo do economista americano Thomas Sowell. O fato de que muitos políticos de carreira são mentirosos descarados e compulsivos não é apenas uma característica inerente à classe política: é também um reflexo do eleitorado. Quando as pessoas querem o impossível, somente mentirosos e demagogos podem satisfazê-las. Mas quando a realidade se impõe eContinuar lendo “Por que políticos mentem?”

Ortodoxia – Chesterton

Trechos extraídos do livro Ortodoxia, de Chesterton (1874-1936), publicado no Brasil em 2008 pela editora Mundo Cristão. Da dificuldade de explicar algo de que estamos completamente convencidos Fica muito difícil defender algo de que se está inteiramente convencido. Se alguém está convencido apenas em parte porque descobriu esta ou aquela prova da coisa, consegue facilmente explicá-la.Continuar lendo “Ortodoxia – Chesterton”

A carta do cacique Seattle

Em 1854, o cacique Seattle, da tribo Suquamish, enviou esta carta ao então presidente dos Estados Unidos, Francis Pierce, depois de o Governo haver dado a entender que pretendia comprar o território ocupado por aqueles índios, no oeste do país. A carta tem mais de um século e meio, mas o desabafo do cacique é incrívelmente atual.Continuar lendo “A carta do cacique Seattle”