Por uma política da racionalidade

Desidério Murcho para O Estado da Arte. Estudos recentes de psicologia cognitiva, popularizados sobretudo por Daniel Kahneman no livro Thinking, Fast and Slow (2011), parecem mostrar que os seres humanos têm como que uma alma dividida: dois sistemas cognitivos que não trabalham propriamente em harmonia, em parte porque um deles é chamado a fazer oContinuar lendo “Por uma política da racionalidade”

Como fazer uma propaganda eleitoral

Papel gasto na propaganda eleitoral impressa daria para fazer 20 milhões de livros Em 2012, um juiz do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) fez as contas de quanto se gasta com a propaganda eleitoral impressa a cada eleição no Brasil e chegou a uma conclusão: a propaganda eleitoral é cara e agride seriamente o meio ambiente. SóContinuar lendo “Como fazer uma propaganda eleitoral”

O poder da vírgula

Crônica de Martha Medeiros publicada no jornal Zero Hora do dia 06 de agosto de 2008. A Associação Brasileira de Imprensa (ABI) completou 100 anos e aproveitou para lançar uma campanha muito útil a todos os brasileiros, não só aos jornalistas. Ela defende o uso correto da vírgula. Todas as pessoas alfabetizadas escrevem. E-mails, bilhetes, cartões, teses, contratos, receitas, blogs… AlgumasContinuar lendo “O poder da vírgula”

32 livros com “qualquer coisa e a filosofia”

Luís Gustavo Silveira, doutorando em filosofia pela USP, publicou no Facebook uma lista que fez durante visita a uma livraria de Uberlândia-MG. Vasculhando a sessão “Filosofia” nas prateleiras, ele encontrou 15 títulos sobre a cultura pop terminando com a expressão “e a Filosofia”. Bandas, filmes, séries de TV… É incrível a quantidade de coisa queContinuar lendo “32 livros com “qualquer coisa e a filosofia””

Não entendo arte contemporânea

Recentemente soube de um amigo que, em viagem pela Europa, esteve no museu do Louvre, em Paris, o mais famoso do mundo. Ele conta que lá está exposto um quadro muito prestigiado que consiste numa tela toda branca, novinha em folha, inalterada. Abaixo dele, o título: “A Ausência da Arte”. Poucos dias depois, eis queContinuar lendo “Não entendo arte contemporânea”