A solidão amiga – Rubem Alves

A noite chegou, o trabalho acabou, é hora de voltar para casa. Lar, doce lar? Mas a casa está escura, a televisão desligada e tudo é silêncio. Ninguém para abrir a porta, ninguém à espera. Você está só. Vem a tristeza da solidão. O que mais você deseja é não estar em solidão. Mas deixa queContinuar lendo “A solidão amiga – Rubem Alves”

A morte como ela é

Não é tão simples quanto parece: quando morremos, milhares de partes do nosso corpo estão na ativa tentando reverter o processo. E muita coisa ainda acontece depois que damos o último suspiro. É o que mostra esta matéria da Superinteressante. Quando Steven Thorpe chegou ao Hospital Universitário de Coventry, no Reino Unido, a equipe médica disse àContinuar lendo “A morte como ela é”

Os grandes contra os pequenos – Rubem Alves

Vou contar uma estória que aconteceu de verdade. Sobre um menininho de oito anos, meu amigo. Passei, por acaso, na cidade onde ele mora. O avião chegou tarde. Seus pais foram me esperar no aeroporto. Enquanto íamos para casa, perguntei: “Então, e o Gui, como vai?”. “Ah! Não vai bem, não”, revelou a mãe. “Na escola,Continuar lendo “Os grandes contra os pequenos – Rubem Alves”

O legado de João Ubaldo Ribeiro, Rubem Alves e Ariano Suassuna para a cultura brasileira

Julho de 2014 ficou marcado como um mês de luto para a literatura brasileira. Neste momento deve estar acontecendo um festival literário no além. Aparentemente, só isso pode explicar que, no espaço de apenas uma semana, tenhamos perdido três grandes escritores. Por ironia do destino, a semana que começou na última sexta-feira com a morte de João Ubaldo Ribeiro (diaContinuar lendo “O legado de João Ubaldo Ribeiro, Rubem Alves e Ariano Suassuna para a cultura brasileira”

Cálculos cerebrais – Rubem Alves

Minha neta parecia absorta, lendo seu caderno de biologia. 16 anos, idade tão bonita, o mundo inteiro a ser compreendido – especialmente em se tratando de biologia. Haverá coisa mais fascinante que a vida? Toda moça de 16 anos quer compreender a vida, pois a vida está borbulhando dentro dela. Olhei para o caderno: ilustrações coloridas,Continuar lendo “Cálculos cerebrais – Rubem Alves”

A arte de produzir fome – Rubem Alves

Adélia Prado me ensina pedagogia: “Não quero faca nem queijo; quero é fome”. O comer não começa com o queijo. O comer começa na fome de queijo. Se não tenho fome, é inútil ter queijo. Mas se tenho fome de queijo e não tenho queijo, dou um jeito de arranjar queijo. Sugeri, faz muitos anos,Continuar lendo “A arte de produzir fome – Rubem Alves”

Cartas de Amor – Rubem Alves

“Todas as cartas de amor são ridículas. Não seriam cartas de amor se não fossem ridículas.” (Fernando Pessoa) Tenho no meu escritório a reprodução de uma das telas mais delicadas que conheço: “Mulher lendo uma carta”, de Johannes Vermeer (1632-1675). Uma mulher, de pé, lê uma carta. O seu rosto está iluminado pela luz da janela.Continuar lendo “Cartas de Amor – Rubem Alves”

Sobre o casamento – Rubem Alves

Depois de muito meditar sobre o assunto, concluí que os casamentos são de dois tipos: tênis e frescobol. Casamentos do tipo tênis são uma fonte de raiva e ressentimentos e terminam sempre mal. Casamentos do tipo frescobol são uma fonte de alegria e costumam ter vida longa. Explico-me. Para começar, uma afirmação de Nietzsche, comContinuar lendo “Sobre o casamento – Rubem Alves”

Só o futuro dirá – Rubem Alves

Crônica de Rubem Alves. Quero contar a estória que mais tenho contado – não aconteceu nunca, acontece sempre. Um homem muito rico, ao morrer, deixou suas terras para os seus filhos. Todos eles receberam terras férteis e belas, com a exceção do mais novo, para quem sobrou um charco inútil para a agricultura. Seus amigos seContinuar lendo “Só o futuro dirá – Rubem Alves”

Tempus Fugit – Rubem Alves

Eu tinha medo de dormir na casa do meu avô. Era um sobradão colonial enorme, longos corredores, escadarias, portas grossas e pesadas que rangiam, vidros coloridos nos caixilhos das janelas, pátios calçados com pedras antigas. De dia, tudo era luminoso, mas quando vinha a noite e as luzes se apagavam, tudo mergulhava no sono: pessoas,Continuar lendo “Tempus Fugit – Rubem Alves”