Como “visitar” museus sem sair de casa

Entre as medidas tomadas para se evitar a disseminação do novo coronavírus estão a recomendação de home office, a orientação de evitar aglomerações, aulas suspensas, shows cancelados, eventos esportivos cancelados, museus fechados, entre outras. “Fiquem em casa” é o que mais se ouve. Durante esse período, a visitação virtual e gratuita a museus, galerias e bibliotecas públicas de todo o mundo são algumas opções para se ter acesso a cultura e entretenimento. Muitos desses museus já ofereciam a opção antes mesmo da pandemia de coronavírus. Veja abaixo algumas dicas do G1 com opções para o período de quarentena ou de isolamento domiciliar ou hospitalar.

Na Europa, o Museu do Louvre, em Paris, está fechado por tempo indeterminado, mas conta com visitação virtual em suas salas e galerias. O Museu Britânico, em Londres, além da possibilidade de acompanhar as coleções, também traz uma loja virtual que permite a compra de réplicas de algumas obras, entre outros objetos. O Museu do Prado, em Madri, conta com uma página especial para explorar suas coleções. O Museu Arqueológico de Atenas apresenta parte de sua coleção, com fotos e descrições, através de seu site. Na Itália, a Pinacoteca de Brera, em Milão, está fechada mas convoca o público para continuar acompanhando seu acervo através do site; a Galeria Uffizi, em Florença, conta com dicas de seus curadores para visitação virtual de parte de suas coleções; e alguns museus do Vaticano contam com parte de seu acervo online.

Nos Estados Unidos, o Museu Metropolitano de Nova York, após o anúncio de seu fechamento, convidou seus visitantes para a experiência online. Em Washington DC, a Galeria Nacional de Arte conta com um tour virtual em vídeo com as exposições atuais. Nele, o espaço de arte analisa detalhadamente os destaques da coleção com gravações em áudio e vídeo de palestras de artistas e curadores. Aqui no Brasil, na cidade de São Paulo, temos o Museu da Imagem e do Som, que também conta com um acervo virtual, e o Museu Casa de Portinari, que tem um tour virtual em seu site.

Além dos links acima, o Google Arts & Culture reúne dezenas de museus e galerias ao redor do mundo e permite visitas virtuais em espaços de arte. Com o serviço, o internauta tem a possibilidade de ver obras de renomados artistas e conhecer suas histórias. Em 2016, por exemplo, o Google Arts & Culture e o Museu Nacional, na cidade do Rio de Janeiro, iniciaram uma colaboração destinada a digitalizar a coleção do museu e disponibilizá-la para todos os usuários online. Depois de ser totalmente destruído por um incêndio em 2018, o museu convida você a redescobrir séculos de patrimônio cultural preservado nesse link. Se preferir, faça o download do aplicativo para Android ou IOS.


Passeio virtual pelo Museu do Ipiranga

Público poderá acompanhar ambientes e exposições enquanto aguarda inauguração do museu, prevista para 2022; também é possível fazer a visita usando o navegador de internet, como explica matéria no Jornal da USP abaixo:

Como parte das atividades que antecedem a inauguração do Novo Museu do Ipiranga, prevista para setembro de 2022 por ocasião dos 200 anos de Independência do Brasil, o público pode contar agora com uma viagem virtual por algumas áreas em volta do edifício-monumento e por exposições interativas. A ação faz parte do Museu do Ipiranga Virtual, plataforma em que o visitante constrói um avatar, pode mudar de roupas e, depois, partir para alguns passeios. A visita pode ser feita pelo próprio navegador do site ou por meio de aplicativos, disponíveis para os sistemas Windows e XboxOne e também para iPhone e iPad. Durante o tour virtual, é possível acompanhar duas exposições com itens de destaque do acervo do museu: Dirigíveis de Santos Dumont e Personagens da Independência, além de assistir a vídeos sobre o andamento da obra, participar de quiz sobre curiosidades do museu, jogar minigames e conhecer algumas características da fachada do edifício. Desenvolvido em conjunto com a Superintendência de Tecnologia da Informação da USP, o ambiente virtual surgiu a partir de pesquisas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) com o apoio dos Programas de Exposições e de Ação Educativa do museu. O trabalho foi patrocinado pela empresa farmacêutica EMS.

Inaugurado em 7 de setembro de 1895 e integrado à USP em 1963, o Museu do Ipiranga está fechado para visitação do público desde 2013, por conta da necessidade de obras de restauração e modernização. O restauro e a modernização do edifício histórico começaram após as comemorações de 7 de setembro de 2019. A obra é patrocinada via Lei de Incentivo à Cultura e deve custar cerca de R$ 139,5 milhões.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s