Uma ótima notícia para a humanidade: Obesidade já mata mais do que a fome

Um dos mais completos estudos sobre as causas de morte no mundo indicou que a obesidade mata mais do que a desnutrição nos dias atuais. De acordo com o relatório da Global Health Burden, instituição ligada à Organização Mundial de Saúde, problemas físicos gerados pela obesidade mórbida foram responsáveis por 3 milhões de mortes em 2010. O número é 3 vezes maior que os óbitos relacionados à desnutrição. Segundo o estudo, feito por 500 cientistas de 300 instituições em 187 países, as mortes relacionadas à subnutrição caíram de 3,4 milhões, em 1990, para 1,4 milhão em 2010, último ano analisado. Em 1990, a subnutrição era a maior causa de mortalidade em pessoas saudáveis. Agora, ela despencou no quadro geral para oitavo lugar. Já a obesidade subiu de décimo para o sexto lugar. A má alimentação (dieta pobre em nutrientes) aparece em quinto lugar. Na frente estão a pressão alta, o tabagismo, o uso de álcool e a poluição.

Segundo um dos pesquisadores, o professor Alan Lopez, da Universidade de Queensland, na Austrália, o resultado surpreendeu. Ele ressaltou que embora esse seja um fenômeno mais acentuado nos países ricos, a obesidade também se tornou um problema nas nações em desenvolvimento. “Foi surpreendente para nós a disseminação da obesidade em países em desenvolvimento. Não é como nos países ricos, mas (o fenômeno) está crescendo”, disse. Nos Estados Unidos, o excesso de peso é considerado uma epidemia que atinge mais de um terço dos adultos e 17% das crianças. Atualmente, mais de 500 milhões de adultos e 43 milhões de crianças abaixo de cinco anos são obesos, e as doenças relacionadas a esse problema estão no topo da lista de causas evitáveis de morte. Indivíduos com sobrepeso têm maiores chances de desenvolver hipertensão, diabetes e doenças cardiovasculares.

Fonte: BBC Brasil e Eu Atleta.


Como comer comida de verdade


Baixe aqui o Guia Alimentar para a População Brasileira.


Alimentos naturais

Nossa sociedade está perdendo a noção de significado da palavra “natural”, especialmente quando se trata de alimentação. Hoje fui procurar um lugar pra fazer um lanche perto da pediatra de Catarina e encontrei duas opções, uma ao lado da outra. Uma era uma lanchonete tradicional, bem simples. Exatamente ao lado tinha um ambiente mais sofisticado no qual estava escrito com letras enormes: ALIMENTOS NATURAIS. É claro que escolhi a segunda opção. Entrei, dei uma olhada e, para minha surpresa, a única coisa efetivamente natural que encontrei foi um saquinho de castanha de caju por 15 reais. O resto era suco de caixinha ou de copinho industrializado, água de côco industrializada, barras de cereais, tortas, bolos, biscoitos e salgados com massa integral, pastel integral à base de soja sabor ricota com num sei o quê, brigadeiro sem açúcar, etc. Não tinha absolutamente nada que pudesse ser preparado na hora, com ingredientes frescos e in natura. Estava tudo pronto, embalado, empacotado, com rótulo e data de validade. Saí imediatamente do estabelecimento e pedi um cheese-egg-bacon na lanchonete ao lado. Estava uma delícia. Tirando o pão, o queijo e o hambúrguer, os demais ingredientes eram todos genuinamente naturais: a salada de alface, tomate e cebola estava fresca; o ovo e o bacon foram fritos na hora, na minha frente. Foi a coisa mais natural que encontrei pra comer essa tarde, no melhor sentido da palavra.


A comida que é um castigo

Fácil de preparar, barato e com todos os nutrientes que seu corpo precisa. Parece tentador? Conheça o nutraloaf (pão nutritivo), alimento que é servido em prisões dos Estados Unidos e está causando polêmica por lá porque não tem absolutamente gosto nenhum. A receita exata varia conforme o fornecedor, mas geralmente leva carne moída, pão integral, queijo cheddar, cenoura, espinafre, feijão, batata, tomate, leite em pó e uva passa. Parece uma combinação aleatória, mas não é. Cada ingrediente foi escolhido cuidadosamente para anular o sabor dos demais. Segundo a Aramark Correctional Services, uma das fornecedoras, a meta é que o resultado final seja completamente neutro, sem gosto. Isso porque ele é usado como castigo para detentos que tiveram mau comportamento, e aí passam um tempo comendo apenas o nutraloaf (dois por dia, cada um com 1.100 calorias). Mas os presos de 7 Estados americanos decidiram processar o governo, alegando que isso é tortura. No Estado de Oregon, chegaram a vencer em primeira instância, mas o governo recorreu e ganhou. Em Illinois, onde um preso fez greve de fome, os detentos recorreram e conseguiram que o julgamento fosse reaberto. Críticos culinários provaram a gororoba e constataram que realmente não tem gosto. “Eu queria sentir qualquer sabor, até se fosse ruim”, opinou o americano Jeff Ruby, da revista Chicago. Ele não conseguiu terminar – e ficou indisposto o resto do dia.

Fonte: Superinteressante.

Um comentário em “Uma ótima notícia para a humanidade: Obesidade já mata mais do que a fome

  1. era bom se no brasil a comida servida pros presos fosse assim, pois eles pensariam duas vezes antes de assaltar denovo e ir pra cadeia e quem discorda de mim leva eles pra casa

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s