Para bom bebedor, meia garrafa basta

Crônica de Fernando Sabino. A primeira vez que provei bebida alcoólica foi aos 11 anos. Estávamos acantonados nos galpões vazios da antiga Feira de Amostras, ali onde é hoje o Aeroporto Santos Dumont, no Rio de Janeiro. Havia latas de doce vazias, invólucros sem conteúdo, rótulos sem produto, restos da última exposição: nada que satisfizesseContinuar lendo “Para bom bebedor, meia garrafa basta”

Um pouco distraído – Fernando Sabino

Ando um pouco distraído ultimamente. Alguns amigos mais velhos sorriem, complacentes, e dizem que é isso mesmo, costuma acontecer com a idade, não é distração: é memória fraca mesmo, insuficiência de fosfato. O diabo é que me lembro cada vez mais de coisas que deveria esquecer: dados inúteis, nomes sem significado, frases idiotas, circunstâncias ridículas,Continuar lendo “Um pouco distraído – Fernando Sabino”